Tags

, , ,

Um artigo do suposto jornalista francês Salim Lamrani, elevado no Brasil ao nível de  “investigação”, originalmente publicada no mexicano La Jornada, mídia que inclui na versão online um banner do livro de Fidel Castro (veja reprodução abaixo), acusa a blogueira cubana Yoani Sánchez de fraudes em sua conta no Twitter. O texto foi resumido e reproduzido com destaque por diversos blogs.

Exemplo de mais uma “verdade” do jornalismo apressado do século 21 e da era da internet, bombado pelo partidarismo ideológico do século passado, o artigo relata, com conotação negativa, fatos como a emigração de Yoani para a Suíça e seu retorno a Cuba, sua entrevista com Obama (citando o Wikileaks, o autor atribui as respostas a um funcionário americano) e deságua no “detalhe” do Twitter, explorado pelo blogs da Terra de Pindorama.

Twitter Yoani

Twitter Yoani

Lamrani começa dizendo que Yoani tem 212 mil seguidores no Twitter e que segue 80 mil. Utilizando os serviços do site http://followerwonk.com/, “descobre” que 50 mil seguidores das blogueira são fantasmas ou inativos. Vai além, do total, 27 mil são “ovos” (não têm foto). O articulista não se demora no questionamento desses dados (ele sabe que 100% dos perfis do Twitter usam artifícios para inchar o número de seguidores). Lamrani usa os números para invalidar que Yoani consiga realizar essas operações sem um acesso à internet, apenas via SMS.

Sobre os 27 mil “ovos”, uma pesquisa rápida no Twitter do presidente Obama revela que a cada sete seguidores um não tem foto. São fakes? Provavelmente. É eticamente correto usar sites que “vendem” seguidores? Claro que não. Mas não é ilegal e é usado por todos. Nossa gloriosa Ivete Sangalo tem mais de 5,6 milhões de seguidores. Olha a página dela no Twitter aí em baixo e a seguir detalhe da de Obama.

Twitter Ivete

Twitter Ivete

Detalhe Twitter Obama

Detalhe Twitter Obama

Ao contrário do que os blogs brasileiros publicaram, Lamrani não discute o fato de Yoani seguir 80 mil contas e ser seguida por 212 mil. Afinal, isso é problema dela. De novo, ele volta a bater no fato de que seria impossível o “follow” de tanta gente apenas via SMS.

O parágrafo final é uma aula de jornalismo ao contrário:
¿Cómo ha podido abonarse a cerca de 200 cuentas diferentes diarias como promedio desde junio de 2010, con picos que superan las 700 cuentas? ¿Cuántas personas siguen realmente las actividades de la opositora cubana en la red social? ¿Quién financia la creación de las cuentas ficticias? ¿Con qué objetivo? ¿Cuáles son los intereses que se esconden detrás de la figura de Yoani Sánchez?

Perguntas e perguntas sem respostas.

Depois de ler o artigo, uma certeza fica na minha cabeça: Essa dona Yoani é cubana mesmo e deu um jeitinho no seu acesso à internet na ilha, da mesma forma como seus compatriotas que constroem antenas parabólicas de papelão.

Texto original no La Jornada, —-> AQUI

* O blogueiro @mvenancio usa uma conexão banda larga brasileira de internet, o que deve ser muito parecido com a dos cubanos que usam o wi-fi sem fio a distância de balsas americanas no Mar do Caribe. Ideologicamente, não acredita em governos e nem em jornalistas.

Anúncios